Segunda, 29 Janeiro 2018 12:27

Governo contrata duas empresas por R$ 38,7 milhões para concluir Aquário

Escrito por CGNews
Avalie este item
(0 votos)

A Construtora Maksoud Rahe e Tecfasa Brasil Soluções em Eficiência Energética são as empresas que vão assumir o Aquário do Pantanal, em Campo Grande. Os dois avisos de contratação, que somam R$ 38,7 milhões, foram divulgados nesta segunda-feira (29) no Diário Oficial do Estado.

Sem licitação, as contratações só foram possíveis diante de um acordo do Executivo estadual com o MPMS (Ministério Público de MS) e TCE (Tribunal de Contas).

A primeira empresa vai tocar a obra principal de conclusão por R$ 27.569.534,83 e, a segunda, responsável por serviços remanescentes do sistema de suporte à vida do Aquário, terá um contrato de R$ 11.204.906,11.

As duas empresas constam com sede em Campo Grande, de acordo com pesquisa na internet. O prazo para o término da obra deve ser de dez meses após a assinatura do contrato, portanto ainda em 2018.

Esse valor estipulado no acordo, e que já está em caixa, prevê apenas as áreas abertas à visitação. Isso quer dizer que os laboratórios e demais setores de pesquisa devem demorar mais para ficarem prontos. Se fosse incluir todos os detalhes do projeto inicial, governo teria de desembolsar R$ 60 milhões.

Histórico - Inicialmente orçada em R$ 84 milhões, o Aquário já teve seu custo final estimado em cerca de R$ 230 milhões. A obra foi subempreitada em 2014 para a Proteco – investigada na Operação Lama Asfáltica – e, dois anos depois, reassumida pela Egelte Engenharia, a vencedora a licitação.

Depois de várias paralisações, o governo rompeu em 22 de novembro de 2017 o contrato com a Egelte, porque o valor inicial da obra já havia sido aditado em 25% (limite previsto em licitações). A segunda colocada na licitação, Travassos e Azevedo, recusou assumir o serviço.

O governo anunciou no fim de 2017 ter R$ 37 milhões para concluir o Aquário do Pantanal. Para não deixar o projeto inconcluso, o governo estadual adaptou o projeto original, cortando custos.

Lido 25 vezes